Antes de continuar este texto é preciso estabelecer uma fronteira.

Deste lado, onde você está, vivem suas crenças pessoais, sua bagagem intelectual, todas as convenções sociais, seus medos, traumas e pensamentos limitadores.

Do outro lado, infinitas possibilidades, mas, para alcançá-las, você precisa deixar tudo ao que pertence ao outro lado no limite deste. não pode carregar nada consigo.

Isso porque o primeiro impulso de quem se propõe a criar algo novo é a concepção que precisamos criar algo que não existe.

Esta cobrança íntima é tão forte que afoga a crença de inovar em sua essência onde, só temos olhos e pensamentos dirigidos pro nada, e nos esforçamos a preencher este, o que muitas vezes só nos conduz a mais nada.

A verdade é que somos alimentados por histórias de Criativos como Thomas Edison, Tesla e Einsteins, onde vislumbramos suas ideias, suas visões e suas criações disruptivas, mas não seu caminho para isso.

Tudo o que foi criado, ou pensado nasceu de um processo. Mesmo que aos olhos dos que não participem deste pareça uma ruptura, um salto exponencial no desenvolvimento de uma tecnologia ímpar, garanto a vocês que o conceito que levou a ideia nasceu em algo.

A verdade é que tudo que que foi e será criado passa por um processo de vontade.

A vontade é o primeiro passo para a gestão do conhecimento. Um dos processos que levam à inovação. A vontade é a única força capaz de nos conduzir a fazer aquilo que postularam como impossível de ser feito.

Existe uma premissa em pesquisa que é: sempre encontraremos argumentos para defender nosso ponto de vista. A busca incessante, contra tudo e contra todos é o produto da vontade.

Thomás Edison fez em torno de 700 experimentos fracassados antes do seu sucesso.  Um dia, um dos seus auxiliares, desanimado com tantos fracassos, sugeriu a Edison que desistisse de futuras tentativas, porque, depois de 700 tentativas, não havia avançado um só passo. Ao que ele respondeu:

“O quê? Não avançamos um só passo? Avançamos 700 passos rumo ao êxito final! Sabemos de 700 coisas que não deram certo! Estamos para além de 700 ilusões que mantínhamos anos atrás e que hoje não nos iludem mais. E a isso você chama perda de tempo?”.

O que moveu Edison deve mover você.

A luz já existia em diversas formas: lampiões, velas, postes a gás. O que Edson fez não foi criar algo totalmente do zero. Foi acima de tudo transformação. Esta transformação é uma visão completamente necessária aos inovadores e inventores pois permite entender que o mundo está constantemente em evolução.

Para isso precisamos estar conectados com a ideias master que o propósito da inovação.

O papel do inovador é acima de tudo melhorar o mundo. Curar suas dores de formas melhores, mais rápidas, baratas e eficientes. e de novo, e de novo. Não é fim. É meio.

Para ser inovador além de prática é preciso ativar a força da vontade, e é preciso menos talento do que se imagina. A persistência sobre as coisas é a chave para ser inovador, é não estar satisfeito como fazemos o que fazemos, é querer melhorar algum ponto em detrimento de um bem maior.
Lembre-se Ex nihilo nihil fit .

______________________________________________________

Você ama inovação, certo?

Então provavelmente já deve ter pensado:
“Preciso criar algo totalmente inovador”

Bom, o que eu vou te falar pode machucar.

O segredo do sucesso… é que não existe um truque mágico, mas sim processos guiados por dados e aprendizado.
Mas calma! Eu trouxe algo para você.

Nós montamos um curso chamado “como inovar”, nele você terá todo o conhecimento para ser verdadeiramente criativo.

É confiança e orientação que você precisa?
Pois a busca acabou. 😉

Saiba Mais,



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *